DICAS SOBRE O PERCURSO DA MARATONA DE FOZ DO IGUAÇU

A maratona internacional de foz é considerada uma das mais difíceis do Brasil. A diferença de temperatura entre a largada e a chegada e a altimetria são os maiores desafios. A largada acontece em uma da 7 maravilhas da engenharia e a chegada é em uma das 7 maravilhas da natureza. Como já fiz o percurso dezenas de vezes, treinei muito lá, e conheço muito a cidade de Foz, vou dar uma dica para os que querem se preparar melhor para apreciar as maravilhas da Maratona mais linda do mundo.

Vale lembrar que o percurso mudou no ano passado, então quem correu a maratona até 2011, vai verificar a mudança, porém ela acontece logo no início. Antes o percurso dentro da Itaipu não chegava a 2 km, hoje é de cerca de 5 km. Esse trecho corresponde ao retorno na JK, marginal BR-277 e av. Paraná que não acontece mais. Agora, após o viaduto da BR-277, os corredores seguem diretamente pela JK.

A largada é dada em frente ao mirante do vertedouro. Depois temos uma descida leve e logo após uma subida leve. A primeira subida mais forte do percurso é logo após atravessarmos a barreira da Itaipu e entrarmos na av. Tancredo Neves (aprox. km 7). O percurso segue com pequenas subidas e descidas até o km 11 – aqui há uma descida mais forte. Após essa descida, passamos sob o viaduto da BR-277 e entramos na av. JK (só muda de nome). O trecho da JK é o mais tranquilo da maratona – aproximadamente 3 km praticamente planos e com muitas árvores. Logo após o Terminal Urbano, na Av. República Argentina, viramos à esquerda e 30 metros depois à direita para pegarmos a av. Brasil, descida forte e subida forte no km 17. subida muito forte, porém curta, região central de Foz.

Após a subida forte da av. Brasil viramos à direita e temos um descanso na av. Jorge Shmmelpfeng, descida forte até a virada na av. das Cataratas – supermercado Muffato. Aqui é o pior trecho da maratona na minha opinião, a subida da av. das Cataratas, quase 2 km de subida com aclive de aproximadamente 60 m. O grande problema dessa subida é que não parece ser uma subida forte, tome cuidado, não force no início, ela vai lhe minando aos poucos. É o primeiro trecho em que encontramos pessoas caminhando. Alguns quebram aqui.

Chegamos à metade da maratona – ponto de passagem do revezamento – em frente ao hotel Mabu. Após o Mabu, temos um trecho tranquilo, passamos pelo trevo da Argentina e seguimos em frente. Depois do Acquamania, aprox. km 26, temos uma forte descida seguida de forte subida, entre as duas o rio Tamanduá, nesse trecho também é muito comum ver pessoas caminhando, subida de quase 1 km e 40 m de aclive. A próxima subida forte é a do aeroporto, quase chegando no portão do parque nacional.

MARATONA FOZ BARREIRA1

Entramos no Parque Nacional do Iguaçu no km 31. Até o km 34, temos subidas e descidas leves. Aqui temos uma descida forte, pouco mais de 500 m e declive de quase 20 metros. Até o km 37, o percurso se mantém praticamente plano, poucas e fracas subidas e descidas. Aproximadamente no km 39, temos a subida do hotel das Cataratas, cerca de 500 m e aclive de quase 20 m. Após o hotel, temos uma descida forte, cerca de 500 m e declive de 30 m. No último km, ainda temos uma subida forte, porém curta e a chegada é em descida, mas aí, você já não enxerga mais nada além da linha de chegada.

A maratona é muito bem organizada pelo SESC e não poderíamos ter local melhor para a chegada.

Espero ter ajudado um pouco e qualquer dúvida ou comentário, é só pedir ou comentar.

 

Você conhece a lenda que deu origem a maratona??

Olá, em homenagem aos nossos amigos e amigas que já correram e irão correr uma maratona, resolvemos pesquisar um pouco sobre como foi que surgiu essa super prova de resistência: A MARATONA.

Placa de Retorno 42km Maratona de São Paulo

Hoje em dia muitos já sabem, porém, é bom relembrar: A Maratona é um tipo de prova de corrida de fundo com medidas estabelecidas. Sua distância de 42,195K deriva de uma tradição histórica.

A lenda que deu origem à esta corrida remonta um passado distante, na batalha de Maratonna, Primeira Guerra Médica (século V a.C). No ano de 490 a.C. ocorre a guerra entre gregos e persas e uma das batalhas se desenrola entre a cidade  de Maratona e o mar Egeu.

Os persas (comandados por Dario) avançavam seu exército em direção a Maratona. O comandante grego (Milcíades), resolveu pedir reforço. Chamou então Fidípides, um de seus soldados (hábil em corridas), que levou o apelo de cidade em cidade até chegar em Atenas, há quarenta quilômentros de distância. Fidípedes voltou com dez mil soldados e os gregos venceram a batalha, matando 6.400 persas. Diz a lenda que Milcíades, entusiasmado com a vitória, ordenou que Fidípides fosse até Atenas outra vez para informar que eles tinham vencido a batalha. Fidípides retornou correndo, e chegando em Atenas apenas conseguiu bradar a palavra vitória depois sucumbiu ao cansaço e morreu.

Durante os primeiros Jogos Olímpicos (séc XIX), Fidípedes foi homenageado com a criação da prova. No início, a distância a ser percorrida era de cerca de quarenta quilômetros, a mesma que separava Maratona de Atenas. Foi somente nas Olimpíadas de Londres (1908) que se estabeleceu uma distância aferida. O fato curioso foi o que deu origem aos cento e noventa e cinco metros adicionais (42,195K): Naquela época a família real britânica desejava  assistir ao começo da prova dos jardins de seu palácio, o comitê mediu esta distância até a saída dos jardins (195m) e somou aos 42Km já aferidos externamente. Tradicionalmente esta se tornou a distância oficial da prova.

Abraços nossos!